Louvor e Adoração

31/07/2017

ENTENDENDO O QUE É LOUVAR E ADORAR 

TEXTO BÍBLICO: 1 Crônicas 29:10-14

1. EXISTE DIFERENÇA ENTRE LOUVOR E ADORAÇÃO?

Durante muito tempo, as palavras “Louvar” e “Adorar” foram tratadas na prática como palavras sinônimas, com significados praticamente semelhantes. Muitos são os autores que ainda hoje, não vêem diferenças marcantes entre os dois significados. Nós, entretanto, gostaríamos de definir alguns termos e anotar algumas diferenças, pois cremos que elas nos ajudarão a entender melhor o conceito de cada uma destas palavras:

Louvar: quando consultamos dicionários da língua portuguesa, notamos que refere-se ao ato de elogiar, exaltar, enaltecer, glorificar, aplaudir, bendizer, expressar admiração, relatar os méritos.

Louvor: em dicionários bíblicos, como por exemplo “O Novo Dicionário da Bíblia” (Ed. Vida Nova, p.960), percebemos que o substantivo Louvor no Antigo Testamento, é relacionado a palavras hebraicas como halal, yadha e zamar. Estas palavras são associadas à alegria manifestada diante de Deus, de diversas formas: cantos, gestos, instrumentos etc. No Novo Testamento, o Louvor na Igreja da época é assim descrito no comentário bíblico:

“A alegria era a atitude dominante da vida cristã, e embora a adoração formal e o louvor que tal alegria inspirava, não seja explicitamente descrita ou prescrita, o motivo disso é que era considerado como algo automático. Assim como aqueles que experimentavam a cura e o poder purificador de Jesus, prorrompiam espontaneamente em louvor (Lc. 18:43; Mc 2:12), semelhantemente na igreja apostólica, havia freqüentes exemplos dessas explosões espontâneas de louvor, quando os homens começaram a perceber e a compreender o poder e a bondade de Deus, na pessoa de Jesus Cristo (At 2:46-47; 3:8; 11:18; 16:25; Ef 1:1-14)”.

Adorar: em dicionários da língua portuguesa, significa: render culto, expressar uma admiração reverente, venerar, amar extremamente.

Adoração: todos os dicionários (bíblicos ou lingüísticos) definem esta palavra como um tema muito extenso. Mas o conceito essencial é de que Adoração é a ação ou atitude de cultuar. Dr. Russell Shedd no livro “Adoração Bíblica” (Ed. Vida Nova, p. II), mostra que através dos séculos, a Igreja cristã utilizou diferentes expressões de adoração, que caracterizam formas de cultuar e não medem a realidade ou o grau de espiritualidade do adorador. Assim comenta o Dr. Shedd:

“Qualquer que seja a expressão do culto como veículo de adoração, a sua forma é externa, mas a atitude do coração é interna, muitas vezes oculta da própria percepção do adorador. Deus preocupa-se mais com o coração do que com a forma (…). E o próprio Deus quem toma a iniciativa na busca de verdadeiros adoradores (…). Atos religiosos (…) não expressam necessariamente um amor real. 0 mesmo acontece com a adoração; os atos externos mais notáveis podem facilmente enganar”.

Resumindo: Louvar está ligado ao elogio ou exaltação que damos a Deus numa espontânea manifestação de alegria; Adorar está ligado à nossa atitude de cultuar, que deve ser a expressão de um coração sincero e verdadeiro.

2. ADORAR ENVOLVE UM ESPÍRITO DE GRATIDÃO

Seria quase impossível pensarem um “verdadeiro adorador”, que não tivesse uma atitude de gratidão ao Senhor, tanto pelo que Ele é, como pelo que Ele faz continuamente. Esta gratidão a Deus, é uma atitude tão básica na vida de adoração, que foi didaticamente ensinada pelo Senhor desde o Antigo Testamento.

Quase todas as orientações para as ofertas e sacrifícios dadas a Moisés, contêm elementos de “ações de graças”. Marcos Witt, em “Adoremos”, diz que “ao oferecerem sacrifícios e oferendas, não o faziam apenas em obediência às ordenanças do Senhor, mas também em agradecimento pelo fato de que Ele lhes permitia continuar com vida para poder aproximar-se dEle. Uma dessas ofertas é a pacífica, ou como normalmente é chamada, o sacrifício pacífico” (“Adoremos”, Ed. Betânia, p. 17).

Lv 7:11 -12: ‘‘Esta é a lei das ofertas pacíficas que alguém pode oferecer ao SENHOR. Se fizer por ação de graças, com a oferta de ação de graças trará (…)".

Lv 22:29: “Quando oferecerdes sacrifício de louvores ao SENHOR, fá-lo-eis para que sejais aceitos”.

SI 116:17: “Oferecer-te-ei sacrifícios de ações de graças e invocarei o nome do SENHOR".

Jn 2:9: “Mas, com a voz do agradecimento, eu te oferecerei sacrifício; o que votei pagarei. Ao SENHOR pertence a salvação!”.

Esta foi a maneira didática de Deus ensinar ao seu povo, a importância de ser agradecido diante dEle. Hoje, não temos a necessidade de oferecer sacrifícios, pois Cristo na cruz foi o último sacrifício aceito por Deus, em substituição pelos nossos pecados. Entretanto, as orientações para que sejamos agradecidos continuam por toda a Bíblia e são válidas para nós hoje (I Cr29:10-14;SI 100:4; I Co I5:57;2Co2:I4; Fp 4:6; I Ts5:l8).

Lendo I "Is 5:18 você nota que no versículo que o adorador não apenas é “grato a Deus”, mas tem a compreensão de que a vontade de Deus para Seus filhos, é que eles EM TUDO dêem graças? Acha difícil? E mesmo! Mas é um caminho de aprendizado, em que a cada acontecimento da vida, reconhecemos a Sua presença, o Seu suprimento, o derramamento da Sua graça, Seu consolo nas horas difíceis … enfim, o Senhor sendo EMANUEL (Deus conosco)!

Marcos Witt, no livro citado, conta que sua avó foi um exemplo em sua vida, de alguém que conhecia intimamente ao Senhor. Mesmo diante de imensas dificuldades ao longo de toda a sua vida, como dor e sofrimento, perdendo dois de seus filhos, teve uma reação admirável. Marcos declara:

“Ela tem um relacionamento tão íntimo com Deus, que nunca escutei de sua boca, uma só palavra de ingratidão para com o Senhor, nem de reclamação ou dúvida. Sempre foi uma pessoa que se caracterizou por um sorriso incrível, uma grande alegria, uma personalidade estável, mas que tinha prazer em contar e escutar uma boa piada. E sua risada é tão contagiante quanto seu otimismo. (…) Sua comunhão com o Senhor é tão íntima, de tanta confiança, que pude descobrir o porquê das “rugas de alegria” no semblante da minha avó : ela conhece o Senhor ! Ela confia que o que Ele está fazendo é perfeito. Isso lhe dá uma paz e uma alegria diferentes. (…) Ela desenvolveu de tal forma o seu "estilo de vida” que, dar graças por tudo, não lhe era difícil. (…) Ela simplesmente era agradecida, pelo fato de conhecer a Deus’’ (op. cit., p. 24).

E você, meu irmão, já aprendeu a conhecer o Senhor dessa maneira?

3. ADORAR ENVOLVE RELEMBRAR E CELEBRAR

Relembrar sobre quem é e quanto já nos fez o Senhor, ajuda a que aprofundemos nossa comunhão com Ele. Este é um tempo, em que usamos a imaginação para renovar em nossa mente, a certeza de que Deus é o mesmo ontem, hoje e eternamente.

Como exemplo temos os versículos 1-2,14, 17 do Salmo 90, escrito por Moisés e, também, o Salmo 30:4-5,11-12, onde Davi faz um “balanço” dos momentos bons e difíceis, vividos diante de Deus.

Meditar sobre estes fatos produz a expectativa que alimenta a esperança do adorador, que resulta numa felicidade ao cultuar e num anseio de celebrar. Conseqüentemente, nossos cultos na Igreja devem ser elaborados visando também as expectativas dos ouvintes: participação e entusiasmo. Portanto, nos momentos de adoração que temos, há espaço para possibilitar que as pessoas compartilhem o que Deus tem feito em suas vidas, a fim de que todos juntos possam alegrar-se e celebrar.

Notaram como “Louvor e Adoração” é muito mais do que apenas um momento no culto? É uma vida dedicada ao Senhor, em todo o tempo ! Existe muito mais a ser estudado, mas este início é uma “amostra” de como precisamos conhecer melhor este tema. Coloque-se diante de Deus e peça a Ele que o ajude a colocar em prática o que aprendemos até aqui.

Compartilhe este estudo bíblico com alguém.

Até a próxima semana.

Louvor e Adoração

31/07/2017

Estudo Bíblico Louvor e Adoração


Louvor e adoração são duas coisas distintas, e objeto de uma confusão tremenda no meio evangélico. Como sempre coloco, há uma ignorância muito grande acerca de Deus na Igreja. Os participantes de nossas igrejas (inclusive muitos Obreiros e cooperadores) têm pouco conhecimento acerca do Deus a quem dizem servir (não que eu tenha muito). Daí porque há um grande número de Obreiros consagrados que acabam por abandonar a Obra ou a Casa do Senhor.
O Louvor foi elevado a condição de MINISTÉRIO, juntamente com a Adoração. O(a) amado(a) leitor(a) já ouviu falar do Ministério de Louvor e Adoração? É tratado como se fosse uma coisa autônoma e independente dentro da Igreja. Isto não corresponde, a meu ver, à melhor interpretação das Sagradas Escrituras.
Comecemos pelo CONCEITO de louvor. O que é LOUVOR? Normalmente o louvor é associado a cânticos, músicas, melodias. Assim, é comum que os "Ministros de Louvor" sejam os músicos, os cantores, os instrumentistas. Estes, normalmente, acreditam que o louvor (isto é, a parte musical) é a parte mais importante do culto, e reclamam do pouco tempo e importância que a ele se dá. Mais: acreditam que o louvor seria o mais importante pilar de uma igreja.
O louvor, o sacrifício de louvor, de acordo com a própria Bíblia, é o fruto dos lábios que confessam o nome de Jesus (Heb.13:15).
A música sempre teve um papel importantíssimo na cultura humana. E, reconheça-se, ela tem o poder de mudar o estado de espírito de uma pessoa. Isto é, uma pessoa triste pode ficar alegre cantando. E esta tem sido, infelizmente, a forma como o louvor tem sido encarado e praticado em nossas igrejas. Não que isso seja uma coisa ruim. Em absoluto. Mas esta não é a finalidade bíblica e espiritual do louvor, enquanto música e canto.
Em Tiago 5:13 lemos:
"está aflito alguém entre vós? Ore. Está alguém contente? Cante louvores". Tiago 5.13
Isto é, o louvor é produto, é resultado, é conseqüência. E não fundamento, origem, pilar, base, esteio.
Lendo-se o livro de Salmos, vemos que os louvores têm sempre um FUNDAMENTO, uma CAUSA. Tipo:
"Rendei graças ao Senhor PORQUE Ele é bom" (Sl.136:1)
ou o cântico de Moisés e o povo em Êxodo 15 (recomendaria que lesse).

Não sei, como sempre, se estou conseguindo ser claro o suficiente....
O louvor precisa vir do interior, da alma do cristão. Quando as pessoas começam a cantar hinos e cânticos de louvor que foram gravados por outrem, que viveu experiências fortes e marcantes com o Senhor, mas sem que isso venha do interior, da alma, está se utilizando da música, da melodia, da expressão cantada da mesma forma como os ímpios se utilizam da música nos bares, nas boates, nas festas e nas casas de dança. Em outras palavras: quando as pessoas tristes, magoadas, angustiadas vão às igrejas, e se alegram com os cânticos, e se deixam conduzir pelas emoções produzidas pelos louvores, SEM antes consertar o altar (I Reis 18:30), o louvor cantado estará tendo a mesma serventia da música nos bares para quem estava triste. Seu efeito é passageiro, transitório. O louvor tem que fluir de dentro para fora, e não o contrário.
Repita-se: o louvor é fruto, é produto, é conseqüência do que o Senhor Deus fez (e faz) por nós. E não o fundamento de uma vida cristã.
O Senhor tem feito maravilhas na vida do(a) amado(a) leitor(a)? Então cante louvores. Se não tem, então, primeiro, conserte o altar (Atos 15:16). E então o seu louvor será puro e verdadeiro (Isaías 30).

Parte 2

Estamos falando (escrevendo) sobre louvor e adoração. Na primeira parte, lamentavelmente, fizemos apenas algumas pequenas considerações sobre o louvor. Na presente, lamentavelmente, pretendemos fazer apenas mais algumas pequenas considerações sobre a adoração. Não posso falar (escrever) muito, sob pena de não ter leitores.
Dito isto, podemos prosseguir.
A palavra "adorar" tem diferentes significados e sentidos, de acordo com o contexto em que são colocadas. Tipo: "adoro peixe defumado"; "Rodolfo Valentino foi um ídolo adorado"; ou
"Então me lancei a seus pés para adorá-lo, mas ele me disse: Olha, não faças tal; sou conservo teu e de teus irmãos, que têm o testemunho de Jesus; adora a Deus; pois o testemunho de Jesus é o espírito da profecia." (Apo.19:10).

Vamos tentar falar sobre adoração, no sentido bíblico, e não no sentido coloquial ou gramatical da palavra.
Adoração, conforme já colocado, não se confunde com louvor. São duas coisas distintas, muito embora essa distinção não seja do conhecimento da maioria dos participantes da igreja. Enquanto que o louvor é
"fruto de lábios que confessam o nome de Jesus" (Heb.13:15)
a adoração não precisa de motivos.

Vou ver se consigo ser mais compreensível. Não existe amor à primeira vista. Existe paixão à primeira vista. Precisamos aprender a amar as pessoas. Elas precisam cativar nosso amor. Nós precisamos cativar seu amor. Mas há certas pessoas que não precisam fazer nada para que as amemos. Nós as amamos simplesmente pelo que elas são: nossos filhos. Nossos filhos não fizeram nada para que os amássemos. E nós os amamos pelo simples fato de serem nossos filhos. Quem tem filhos e os ama entende o que quero dizer.
Por que amamos nossos filhos desde antes de nascerem? Não sei. Não há explicação. Ao contrario das demais pessoas que precisam cativar nosso amor, o amor pelos filhos nasce com eles. Aliás, já existe antes mesmo que nasçam (mas nós temos que cativar o amor de nossos filhos).
Assim também deve ser a adoração. Não precisa de motivos, de fundamentos. Deus não precisa fazer nada para que O adoremos. Senão não é adoração. É louvor.
Para que um cristão comece a ADORAR a Deus, precisa ter comunhão, conhecimento, contato, ligação com Deus. Se assim não for, estaremos na mesma adoração dos habitantes de Atenas (Atos 17).
Adorar a Deus é reconhecer e confessar a sua glória, o seu poder, a sua majestade, a sua magnifência, não importando o que Ele faça ou deixe de fazer. A adoração é pelo que Deus é.
Na adoração, nos humilhamos diante de Deus, reconhecemos e exaltamos a glória, majestade e poder. Às vezes mesmo sem palavras.
Na adoração nada se pede, nada se reivindica, nada se agradece. Apenas se exalta, se glorifica ao Senhor nosso Deus. Apenas... se adora, e se alegra pela simples presença de Deus.
"Ainda que a figueira não floresça, nem haja fruto nas vides; ainda que falhe o produto da oliveira, e os campos não produzam mantimento; ainda que o rebanho seja exterminado da malhada e nos currais não haja gado, todavia eu me alegrarei no Senhor, exultarei no Deus da minha salvação. O Senhor Deus é minha força, ele fará os meus pés como os da corça, e me fará andar sobre os meus lugares altos." (Hab.3:17-19)
Autor: Takayoshi Katagiri

Aplicativos


 Locutor Ao vivo


Cesar Lopes

O Som Do Céu Para alcançar seu Coração

Peça Sua Música

Name:
E-mail:
Seu Pedido:


Anunciantes